sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

E... Vídeo da Semana!


Help!





Este foi o primeiro vídeo que vi dos Beatles. Como não poderia deixar de ser, é também o primeiro vídeo do meu blogue. "Please, please, help me!"

Bom Fim-de-semana!

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Frase da semana!



"A arte é a expressão da mente, a nossa vida é a nossa arte."



John Lennon.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Para todos, em geral, e para ninguém, em particular!


Acho piada [ou nem por isso] a esta nova moda de andar (pelo menos) com 3 símbolos da paz à vista de todas as pessoas. É na roupa, é nas pulseiras (às vezes em ambos), é nos cadernos, nos nicks do Messenger e até já cheguei a ver alguns com um Post-it colado na cara. Piroso, acredito que a própria paz esteja a morrer de tédio!
Sim, eu também anseio por paz. Simplesmente irrita-me o facto de este símbolo ser apenas mais um enfeite para a “Árvore de Natal”! Para mim portar esta imagem é algo precioso, é aquilo que todos contribuímos [ou pelo menos dizemos que sim] para que um dia possamos dizer que estamos realmente em paz com tudo e com todos.

Todos os dias vejo pessoas [que infelizmente conheço muito bem] levarem este símbolo para todo o lado e passam a vida a falar da Paz e do Bob Marley. Mas atenção, não é por ele ser um dos maiores ícones mundiais da música e da paz! Eles falam, isso sim, do facto de ele estar constantemente a fumar. É essa a diferença, alguns pensam que as pessoas são perfeitas e que tudo o que os seus ‘Ídolos’ fazem é o correcto. Eu idolatro o John Lennon e o Paul McCartney, mas não é por isso que vou começar a fazer campanhas pela paz toda nua, nem me vou tornar Hippie. Nem sequer estou a pensar ser vegetariana porque eu adoro comer frango assado! Mas se calhar aproveito as músicas deles para me servir de inspiração a novas obras de arte [ou algo do género!].
 
Exibicionismos… Por mim tratava destas pessoas à base de chapadas!

E depois querem paz… Devem pensar que é como os pombos, traz-se milho e eles aparecem todos aos molhos. Epah, por amor aos Beatles!...

Além disso continuo a gostar mais da pomba!

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

60's

2010. Uma onda de novos artistas estava prestes a explodir. No inicio fiquei animada e até comecei a ouvir e a seguir algumas dessas bandas, mas nenhuma delas me satisfazia por completo. Até podia gostar de uma música ou de outra mas nenhuma era "A Música". Aquela que tanto te faz sorrir como te pode deixar a chora de emoção, que te desperta todo o tipo de sentimentos.

Eu sempre ouvi falar Neles como sendo os melhores dos melhores, inacreditavelmente bons músicos e criadores das mais famosas músicas de todos os tempos. Inacreditavelmente eu não conhecia nenhuma música deles [pensava eu!]. Por coincidência foi nesta altura que o meu interesse por bandas na segunda metade do século XX se manifestou. Comecei por explorar bandas e artistas como os Queen, ABBA, Elvis Presley, Heróis do Mar, Pet Shop Boys, Michael Jackson, (que passei a admirar após a morte, infelizmente), Sitiados,  etc. E enquanto fazia estas pesquisas, pensava sempre em partir à descoberta desta grandiosa banda, mas sabia que não ia ser uma viagem como as outras. Havia muitas coisas a estudar, a apreciar e sobretudo muita Net para gastar (este é o principal motivo!).


Sábado, 9 Out. 2010 - 70º Aniversário de John Lennon. Revistas, sites, televisões, mensagens corrente, tudo a noticiar a data. Eu, naturalmente, não podia ficar indiferente ao que se estava a passar à minha volta. Comprei uma revista onde tinha um artigo sobre o assunto. Foi então que li: "Fundador da maior banda de todos os tempos faria 70 anos dia 9". Continuei a ler. Normalmente costumo passar a página à frente e não me incomodar com algo que para mim não significa nada. Mas sentia que precisava de dar cor à minha vida, de encontrar algo ou alguém que eu gostasse verdadeiramente. Passada a parte da infância difícil, da perda da mãe e de tudo mais, cheguei finalmente ao epicentro de toda a história. 
Os Grandiosos, os Magníficos, os Esplêndidos, os Esplendorosos, os Resplandecentes, os Extraordinários, os Brilhantes, os Refulgentes, os Cintilantes, os Fascinantes, os Relampejantes, os Encantadores, os Cativantes, os Sedutores, os “Sexy”, os Atraentes, os Deliciosos, os Apetitosos, os Fulgurantes, os Adoráveis, os Excepcionais, os Estimáveis, os Amáveis, os Excelentes, os Notáveis, os Eloquentes, os “Fora de Série”, os Majestosos, os Originais, os Magnificentes, os Belos, os Sublimes, os Soberbos, os Inacreditáveis, os Luminosos, os Fabulosos, Os Lendários...
The Beatles!...
Foi então que pensei, 'olha nem é tarde nem é cedo'. Fui para o computador, liguei a Net, vi as notificações do facebook, dei os últimos retoques no trabalho de Física e Química e nunca mais me lembrei do que queria fazer realmente [parvo, eu sei]. E qual foi a minha salvação: O Google, que na pagina inicial fez um tributo ao John Lennon (por ventura muito bem elaborado) e então fui pesquisar sobre os Beatles [Finalmente!].

"Help!". Foi o primeiro resultado que apareceu no YouTube. Vi, revi, e voltei ver o vídeo e não conseguia reconhecer o Lennon, quer dizer, não consegui distingui-los uns dos outros. Eram todos iguais! O famosíssimo penteado e o sotaque [que eu adoro mas que ainda não consigo decifrar]  eram características comuns a todos os Beatles.
‘Tenho uma pequena ideia [não tão pequena quanto isso] que havia mais pelo à mistura!’ No inicio fiquei um pouco baralhada, mas o assunto ficou resolvido nessa mesma noite, quando fiquei a par de todas as suas mudanças de visual. Por muito estranho que possa parecer, eu nunca tinha ouvido aquela música na minha vida. Continuei. “Twist and Shout” e “All My Loving” foram as seguintes. De repente tudo mudou: Tive uma sensação de ‘Déjà Vu’. Aconteceu o mesmo quando ouvi as músicas “Can’t Buy Me Love”, “Something”, “Yellow Submarine” [que não fazia a mínima ideia que era da sua autoria] e “Hello Goodbye” [foi neste que passei a adorar o Paul McCartney!]. “Hey Jude”, “Let It Be” e “Yesterday” foram as que tiveram mais impacto e a que me despertaram mais interesse por esta banda. São tão famosas que penso que todas as pessoas em geral, e as da minha geração em particular, já as ouviram pelo menos uma vez na vida. Tinha escutado estas baladas tantas vezes e nunca lhes tinha prestado a devida atenção. E acabei a minha pesquisar por aqui para não ficar sem Net antes de chegar a meio do mês.

Segunda-feira, 11 Out. 2010 – Foi neste dia que pedi à minha estimadíssima amiga e colega de brincadeiras parvas e sem sentido, a Margarida, para me arranjar 3 músicas: Hey Jude, Let It Be e Can’t Buy Me Love [estava a pensar na Yesterday, mas optei por esta por ser mais animada]. Resultado: Após uma semana de espera, a Guida entregou-mas. Durante sei-lá-quanto-tempo estive a ouvir sempre as mesmas músicas. Perdi o interesse pelas bandas da actualidade e dediquei-me inteiramente à música e cultura dos 60's. Ouvi alguns dos acordes mais famosos do mundo, vi documentários sobre as bandas mais influentes de todos os tempo, fotografias a preto e branco e montes de videoclips. Gostei de tudo, menos do facto de estarem sempre a fumar que, apesar de não concordar, compreendo. 60's = {Amor; Droga; Rock’n’Roll}, não é verdade?
No inicio era uma novidade para toda a gente. Todos já tinham ouvido falar dos Beatles, alguns nas televisões, outros por influência dos pais e ninguém negava que os Beatles tinham sido uma das maiores bandas do mundo [os mais cultos disseram até que são, sem dúvida, a mais popular]. Até agora tudo bem, pior foi quando eu comecei a cantar! No inicio alguns dos maus amigos mais próximos (Guida, Gil e Paulo) começaram a reconhecer a música e cantar comigo, mas depois de algum tempo já não me conseguiam ouvir, coitados [aquilo é que foi uma lavagem de cérebro!].

Férias de Natal. Após uma tentativa fracassada de aproveitar esta data para ter todos os discos dos Beatles, a minha querida mãezinha lembrou-se de me dar um periquito [ao qual dei o nome de Beatle, e que por acaso está neste momento a morrer devido aos 7 dias que passou sem comer e ao facto de eu o teu afogado com tanta água que lhe dei!] e uma folha com todas as capas dos álbuns dos Beatles colado à gaiola! Great… É que para além do mais, o raio do periquito era burro [sem ofensa aos burros] e tinha medo de mim!
Mas nem tudo correu mal, a Filipa começou a interessar-se também pelos Beatles. A partir desse dia foi muito mais divertido, porque assim já tinha alguém com quem falar e partilhar músicas. E, claro, a Alex ‘*’ e a Margarida ‘*’ estão a ficar cada vez mais fanáticas pelo Ringo *. O que se há-de fazer, a Beatlemania é uma doença contagiosa! 
A passagem de ano, essa foi passada a ver excertos dos concertos do Bruce Springsteen, dos U2 e do Sir James Paul McCartney [adoro tratá-lo por ‘Sir’!]. A RTP subiu muito na minha consideração por me disponibilizar uma passagem de ano tão agradável!
PS. Adorei a t-shirt da Filipa. Só para esclarecer uma coisa, eu tenho muita pena do meu periquito mas eu não consigo estar à beira dele numa hora destas e então estou para aqui a escrever os acontecimentos mais importantes dos últimos 4 meses da minha vida. Caso alguém esteja interessado!

Actualidade. Apesar de ter passado uns tempos confusa com o facto do Paul McCartney que todos conhecemos hoje em dia ser ou não o tal “Billy Shears”, nunca deixei de me interessar completamente por ele [até usei o seu apelido para completar o meu nome artístico!]. Passei algum tempo encantada com a timidez e musicalidade do George Harrison e agora estou mais virada para o humor de génio e as harmoniosas e revolucionárias canções do John Lennon. Daqui a uns tempos vou roubar o Ringo Starr à Filipa e à Guida. E posso-vos confessar desde já que aquele nariz nunca me foi indiferente!

Resumindo: Amo a música dos 60's em geral e a dos Beatles em particular!

And here I am!...

Meet The Beatles. Rock the World!...